Recebe conteúdo exclusivo

Dicas, ferramentas e tutoriais para utilizares o Marketing Digital a favor do teu negócio.

Ao submeter o email, concordas com a Política de Privacidade.
12 Erros Comuns Em Campanhas de Facebook Ads

12 Erros Comuns Em Campanhas de Facebook Ads

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Já todos sabemos do potencial do Facebook Ads para catapultar negócios.

Com um número surreal de usuários activos diariamente – não, não vou precisar o número porque é o que toda a gente faz 😎 – a margem de crescimento é realmente muito grande, independentemente da dimensão dos negócios.

Criar e gerir campanhas não é difícil mas é certamente mais complexo que aquilo que parece e o facto de haver tanto por onde evoluir proporciona um verdadeiro desafio para quem deseja entrar neste mundo – não basta aceder ao Gestor de Anúncios e começar a clicar nuns botões.

Campanhas de sucesso e de elevado desempenho estão assentes num conjunto de estratégias, conhecimentos e boas práticas e, naturalmente, numa lista de erros a evitar.

É neste último ponto em particular que foco o objectivo deste artigo: erros que podes estar a cometer e que certamente estão a limitar o potencial das tuas campanhas.

12 Erros a Evitar no Facebook Ads

1. Objectivo de Campanha Errado

Este ponto já é um clássico, certo?

A escolha do objectivo de campanha – das etapas mais básicas e fundamentais de toda a estrutura – molda por completo o comportamento da plataforma pois, de certa forma, é o que diz ao algoritmo o que desejas alcançar.

Se logo no primeiro passo a tua escolha não for a mais adequada, tudo o que fizeres daqui para a frente estará comprometido e desalinhado com o objectivo, limitando “à nascença” o potencial da campanha.

Lembra-te que nesta fase o objectivo que escolhes está intimamente ligado com o funil de vendas e com o estágio em que a tua audiência se encontra.

Ainda assim, com o passar do tempo, prática e experiência vais reparar que não tens obrigatoriamente de levar tudo à letra e cumprir com tudo o que a plataforma aconselha.

Por vezes crio campanhas com objectivos supostamente desalinhados com o estágio em que a audiência se encontra (por exemplo, já usei campanhas de “Alcance” para fazer remarketing) e obtenho resultados mas, no fundo, é tudo uma questão de testar.

2. Campanhas Irrelevantes

O maior erro que podes cometer é criar uma campanha sem um propósito bem definido, sem um planeamento estratégico onde a sua estrutura não tem suporte válido, impossibilitando a entrega dos melhores resultados no menor período de tempo possível.

Tens de criar uma rede estratégica de campanhas que seja capaz de afunilar a tua audiência e de fazer com que o máximo de pessoas chegue à etapa de conversão.

Divulgação

No topo do funil de vendas tens a fase da Divulgação.

O teu objectivo aqui passa por consciencializar as pessoas que a tua marca existe, como se fosse a tua apresentação oficial ao público – semelhante àquelas que fazíamos em frente a toda a turma, cheios de vergonha 😐

Fará com que aumentes o teu reconhecimento, que será muito importante numa fase mais avançada do funil, onde vais querer desenvolver autoridade e credibilidade para o negócio.

Faz uma aproximação às audiências frias com campanhas de conteúdo educacional ou até de entretenimento, com o intuito de as preparar para uma futura abordagem mais agressiva e de venda.

Consideração

Nesta fase, queres que a audiência considere de uma forma mais activa o teu produto ou serviço.

Queres que se lembrem de ti quando surgir a necessidade de adquirir alguma coisa no mercado relacionada com um problema que estão de momento a enfrentar.

Vais estar a reencaminhar a audiência do Facebook ou do Instagram para o teu website ou para páginas específicas para que possam retirar mais informação sobre o teu negócio e desenvolverem a confiança suficiente para comprar.

Claro que as campanhas com o objectivo de promover o envolvimento ao longo das redes sociais, sem ligação externa, são igualmente uma óptima forma de aumentar o volume da audiência morna.

Podes fazer isto através de campanhas que agreguem valor de várias formas:

  • Free trials
  • Webinars
  • Podcasts
  • Amostras de produto
  • Ebook
  • Checklists
  • Artigos de blog

Com este tipo de material, não só vais conseguir educar e nutrir a audiência mas também aumentar a tua lista de contactos, daí que as estratégias de conteúdo sejam sempre importantes.

Conversão

O objectivo aqui é simples e directo: nutrir leads e aumentar as vendas com base na audiência que demonstrou um interesse estável ao longo de toda a jornada.

Algumas das pessoas, como consequência natural de tudo o que retiraram de positivo da relação com a tua marca, vão desde logo comprar à primeira oportunidade.

Ainda assim, uma grande fatia desta audiência continua a precisar de mais informação de valor para concluir a acção desejada.

Podes apresentar descontos de primeira compra, promoções com sotck ou tempo limitado e até incluir prova social, como testemunhos em vídeo, que é um dos teus maiores trunfos.

3. Má Definição do Público-Alvo

Uma das grandes armas da publicidade online é a capacidade de apresentar e distribuir os anúncios ao segmento de pessoas que estará potencialmente mais interessado no que tens para oferecer.

Fase de Aprendizagem: Conceito, Utilidade & Boa Prática

Se estás a criar uma campanha e não tens bem definido para quem queres anunciar, os resultados não serão animadores.

É claro que tens a possibilidade de testar diferentes condições e parâmetros de segmentação dentro do teu público mas até para isto é fundamental que conheças bem algumas características das pessoas.

Demográficas, Interesses e Comportamentos são as categorias a partir das quais podes refinar a tua audiência – isto se ainda não tiveres dados suficientes para criar audiências personalizadas – bem como recorrer ao Audience Insights, ferramenta bastante útil no processo de definição do público-alvo.

4. Audiências Semelhantes Pouco Qualificadas

As audiências semelhantes – Lookalike Audiences (LAL) – são importantíssimas para conseguires escalar o teu negócio.

Resumidamente, permitem que encontres potenciais novos clientes a partir de um público personalizado que já tenhas criado.

Se já estás a recorrer a lookalikes mas não notas melhoria nos resultados, podes não estar a utilizar como base a audiência personalizada ideal – leia-se qualificada. 

Vais querer usar sempre como base para a tua LAL a audiência personalizada com maior valor, segundo o objectivo que queiras alcançar.

Atenção também ao tamanho da audiência base. Uma audiência muito curta impedirá o Facebook de criar uma lookalike, enquanto que uma audiência muito ampla deixará o Facebook a viajar na maionese pois encontrará “demasiadas” semelhanças entre vários grupos de utilizadores.

Podes consultar o meu artigo sobre Lookalike Audiences para uma abordagem mais pormenorizada sobre este tema.

5. Audiência Demasiado Ampla ou Específica

É geralmente uma das dúvidas mais frequentes no processo de definição e segmentação do público.

O barómetro é um indicador válido mas não o leves à risca – assume-o como se fosse pura e simplesmente um pequeno guia, porque o valor apresentado é uma estimativa.

Muito mais do que alcançar todas as pessoas, o que importa é alcançar as pessoas certas. Concordas?

Uma audiência ampla e generalista vai criar dificuldades ao Facebook para encontrar pessoas propensas a tomar a acção que desejas, de acordo com o objectivo da campanha.

De qualquer forma, e é importante deixar-te esta nota, o algoritmo tem melhorado imenso e tenho notado que audiências mais abrangentes começam a entregar bons resultados. Em audiências mais amplas o CPM é mais baixo e o Facebook, finalizando a fase de aprendizagem, consegue “perceber” com maior precisão a quem deverá entregar os anúncios.

Por outro lado, uma segmentação detalhada ao pormenor não oferece grande margem à plataforma para decidir a quem entregar os anúncios e por isso os resultados são geralmente mais caros.

Obviamente, este lógica não se aplica às audiências de remarketing, que são geralmente mais curtas. Apesar do CPM ser alto, é um público mais informado e nutrido e como tal a taxa de conversão também será mais alta.

6. Não Fazer a Exclusão de Público

Acredito que este é um dos erros mais comuns cometidos pelos anunciantes.

A lógica é simples: não vais querer apresentar os teus anúncios a um segmento da audiência que já converteu – independentemente do evento de conversão.

De igual forma, é importante evitar o overlap, ou seja, anunciar em vários conjuntos de anúncios para a mesma pessoa. Isto faz com que os teus anúncios compitam entre si, aumentando os custos e a frequência dos anúncios.

Em ambos os casos estarás a usar o teu orçamento de forma ineficiente.

Isto acaba por criar sentimentos de insatisfação, aborrecimento e até irritação em torno destas pessoas, em que podem tomar acções que vão ter uma influência negativa no anúncio.

Tudo isto pode provocar um fenómeno que vais querer evitar a todo o custo, que é a saturação de anúncios.

Tenho também um artigo no blog que te ajudará a perceber melhor a questão da sobreposição de públicos no Facebook e como evitar que aconteça, dá lá uma olhada que te vai ajudar imenso.

7. Pouca Percepção de Valor

Tens de garantir que o valor da tua proposta é óbvio, que as pessoas entendem os benefícios mesmo antes do clique na ligação.

A prioridade não é mostrar aos potenciais clientes que és melhor que a concorrência mas sim que aquilo que ofereces é exactamente a solução que procuram para os seus problemas.

E aí sim, as pessoas começam a desenvolver confiança e credibilidade pela tua marca, em que a autoridade no mercado é construída de forma natural.

Sem sensacionalismo e clickbait, apenas facilidade no entendimento do valor e interpretação das vantagens para o consumidor.

8. Pixel Não Instalado

Por favor… 🙏 Se tens website e pretendes anunciar através do Facebook Ads é imperativo que instales correctamente o Pixel.

Fase de Aprendizagem: Conceito, Utilidade & Boa Prática

Esta ferramenta permite-te ter conhecimento sobre toda a actividade e comportamentos dos visitantes do teu website, loja e páginas de destino, para assim optimizares cada vez mais as campanhas.

Quanto mais informação esta ferramenta rastrear e armazenar, mais valiosa se torna.

É provavelmente o que torna a publicidade no Facebook tão vantajosa porque dá a possibilidade de criar audiências personalizadas com valor e consequentemente lookalikes de qualidade, criar campanhas de remarketing ajustadas à procura das pessoas e direccionar com cada vez maior relevância os anúncios.

9. Comunicação Desajustada

Podes perfeitamente relacionar este ponto com os anteriores que falei sobre os objectivos de campanha e a segmentação da audiência.

Da mesma forma que deves ter total conhecimento sobre quem queres que visualize o teu anúncio, a forma como comunicas para as pessoas deve estar de acordo com as suas necessidades e desejos.

Mais uma vez, o funil de vendas entre em cena.

Certamente que o teu copy apresenta variações se estiveres a falar com um cliente que já converteu em comparação com a audiência que acaba de interagir pela primeira vez contigo.

A relevância do anúncio não se limita apenas a apresentar a proposta certa, para a pessoa certa.

A abordagem é igualmente importante, com especial foco para os benefícios da oferta e para os pain points da audiência.

10. Imagem “Invisível”

Por imagem “invisível” considero a que não chama a atenção do público, que não contrasta com o infinito loop do feed e que não faz com que a pessoa pare e se sinta cativada a saber mais.

Por natureza, sentimos mais atracção por elementos visuais do que textuais e a imagem do anúncio é a bandeira da tua comunicação.

Tem de conseguir transmitir o impacto que a audiência terá se optar por saber mais sobre a tua oferta ou se estiver já na fase de decisão de compra.

Existem 2 boas práticas que deves tentar implementar sempre que possível: incluir pessoas e transmitir o sentimento de optar pelo que estás a oferecer.

Idealmente, uma fusão de ambas é excelente pois a audiência consegue projectar-se na imagem e imaginar-se naquele momento.

São características que nós, seres humanos, temos desde sempre: uma sensação de maior empatia e identidade por outras pessoas com a vontade de alcançar o que nos faz bem.

11. Não Relembrar a Audiência

Numa época em que as pessoas passam horas nas redes sociais, captar a atenção é um processo cada vez mais difícil porque com tanta coisa a acontecer em simultâneo, as pessoas são facilmente alvo de distrações.

É daqui que nasce a importância de relembrar a audiência que já demonstrou interesse mas que, por algum motivo, não concluiu a sua acção ou abandonou um determinado evento de conversão.

Relembra-lhes para voltarem ao teu website para comprarem aquele produto que andam a perseguir há dias ou para concluírem o preenchimento de um formulário que lhes dará acesso a um ebook.

Fase de Aprendizagem: Conceito, Utilidade & Boa Prática

O objectivo é simples: mostrar a esta audiência que o produto ou serviço que apresentaste noutras campanhas ainda se encontra disponível.

Na criação deste tipo de campanha recorre a audiências qualificadas, que revelaram interesse numa fase avançada do funil de conversão e num intervalo de tempo recente (1 a 30 dias), pois a experiência com a tua marca estará mais fresca na sua memória.

12. Landing Page Fraca → Má Experiência de Utilizador

Não é suficiente criar as melhores campanhas nem apresentar o anúncio mais apelativo de sempre à tua audiência.

Há o passo seguinte – o pós-clique – que tem de suportar e validar toda a estratégia e garantir que a audiência recebe exactamente aquilo que interpretou e viu como vantajoso para si no anúncio.

Não cumprir a promessa é o primeiro passo para o insucesso e para uma visão negativa em torno do teu negócio, daí que a página de destino tem de estar perfeitamente estruturada, funcional e com uma percepção de valor elevada.

Só assim vais proporcionar uma Experiência de Utilizador (UX) memorável que colocará a audiência mais próxima da conversão.

Conclusão

Independentemente de já teres ou não alguma experiência na criação e gestão de campanhas no Facebook Ads, há erros que te escapam e que invariavelmente farão com que o desempenho fique aquém do esperado.

A prática é o único caminho para assimilar estratégias e ser capaz de identificar o que se deve fazer e, especialmente, o que se deve evitar.

Com cada vez mais anunciantes, evitar qualquer tipo de erros é fundamental para te destacares e prestares o melhor serviço possível.

Fruto das constantes mudanças e inovações da plataforma, há cada vez mais objectivos, audiências e configurações a ter em conta.

Adapta-te o mais rápido possível e evita os erros que mencionei.

Não só vais criar melhores campanhas, como o Facebook vai reconhecer isso e distribuir de uma forma mais eficaz e com maior relevância os teus anúncios para as pessoas certas.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Bruno Moura

Bruno Moura

Freelancer, PPC Manager, consultor e formador com mais de 10 de experiência em marketing digital. Segue-me no Facebook e Instagram.

Deixe uma resposta

Close Menu