Recebe conteúdo exclusivo

Dicas, ferramentas e tutoriais para utilizares o Marketing Digital a favor do teu negócio.

Ao submeter o email, concordas com a Política de Privacidade.
Pixel do Facebook: O Guia Completo

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Se por algum momento achaste que o pixel tem mais fama do que devia, aviso-te desde já que estás totalmente enganado(a).

Neste artigo junto o máximo de informação útil e prática sobre esta ferramenta.

É muito fácil de entender, a instalação não é um bicho de 7 cabeças e as vantagens que traz ao teu ou a qualquer outro negócio, sem distinção de área, são inegáveis.

O que é, como criar e instalar, quem pode usar e um conjunto de dicas e vantagens sobre o pixel do Facebook.

Sem mais demoras, acompanha-me ao longo deste guia sobre uma das ferramentas mais incríveis da loja do tio Zuck 👇

O que é o Pixel do Facebook?

A definição do pixel do Facebook é provavelmente mais curta do que imaginas.

Esta ferramenta é simplesmente uma fracção de código (sim, daqueles que achas digno apenas dos Anonymous) com uma identificação para cada conta de anúncios.

É exactamente igual para todos os anunciantes, exceptuando 2 séries de números destacados na imagem seguinte:

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Os próximos tópicos vão certamente esclarecer-te sobre as restantes dúvidas que possas ter sobre o pixel do Facebook: como funciona, para que serve e quem o pode utilizar.

Como Funciona o Pixel do Facebook

Quando geralmente tento explicar como funciona o pixel, sinto sempre que rotulá-lo como um detective privado é uma boa analogia 😅

Tudo porque o pixel é o responsável pelas pessoas verem anúncios de marcas às quais visitaram o website há 5 minutos.

Mas isto é uma história para ser contada mais à frente.

Agora, fiquemo-nos pela missão deste pequeno código.

Como disse, assume o pixel como um detective privado da tua conta de anúncios – é também um grande amigo do Facebook.

A missão dele é ser informar o algoritmo de toda a actividade e comportamentos dos utilizadores que acontecem FORA da plataforma.

O Facebook não tem recursos para entender o que se passa no teu website, loja, blog ou landing page sem a ajuda do detective privado.

Quando começas a usar o pixel é quando os teus anúncios têm maior capacidade de alcançar um nível de desempenho superior.

Como Utilizar o Pixel do Facebook: 4 Pontos em Destaque

A partir do momento em que entramos no aspecto funcional do pixel do Facebook, é fundamental referir que algumas coisas mudaram em 2021.

É muito provável que tenhas visto notícias sobre o braço de ferro entre o Facebook e a Apple.

Apesar de ao longo deste guia fazer algumas referências a mudanças mais bruscas e notórias, dá uma olhadela no artigo que tenho no blog sobre a actualização do iOS 14 para entenderes melhor todo o problema.

Mas coloquemos o drama de parte.

Siga com o conteúdo e com os 4 pontos que destaco na utilização do pixel do Facebook.

Registo de Actividades e Comportamentos

Este ponto funde-se com a missão principal desta ferramenta.

É inegável o valor da informação que podes recolher e transferir para os teus anúncios no Facebook.

Mas não só é na publicidade que está o ganho.

Vais conseguir entender melhor o público, os seus interesses, o que funciona melhor no teu website, que secção atrai mais as pessoas e outros pequenos pormenores que podem fazer toda a diferença.

São melhorias transversais a toda a tua marca.

Mensuração de Resultados

Quando falo em actividades e comportamentos na web refiro-me aos eventos padrão e personalizados (tópico que falarei um pouco mais à frente) que possas incluir.

Se és capaz de entender quem visita páginas específicas do teu website, que produtos são deixados no carrinho e quais seguem para a compra, sem dúvida que consegues uma mensuração de resultados filtrada com maior qualidade.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Uma das grande limitações da versão 14 do iOS é neste aspecto, mas nada a fazer.

Temos de trabalhar com as armas disponíveis. 

Desbloquear os Públicos Personalizados das Tuas Fontes

Sem dúvida que os públicos personalizados a partir das fontes do Facebook são de enorme valor para o teu negócio.

Mas é a partir das tuas fontes que os anúncios ganham um propósito e direcção superior.

O foco vai claramente para os públicos personalizados do website e lista de contactos, sejam leads ou actuais clientes.

Falar em leads é sinónimo de que as estratégias estão a surtir efeito e que conseguiste potenciar da melhor forma as informações fornecidas pelo pixel do Facebook.

Remarketing Num Outro Nível

Depois de falar dos 3 pontos anteriores, era impossível não trazer o remarketing ao barulho.

Na verdade, de forma indirecta acabei por mencionar abordagens que só são possíveis com este tipo de estratégia.

É o pixel do Facebook que possibilita a transformação de uma audiência anónima num conjunto de pessoas onde já conheces algumas das suas necessidades e problemas (por exemplo, podes assumir que se visitaram determinado artigo no blog estão interessados no tema/produto), podendo então anunciar apenas para este grupo em específico com maior precisão.

Ao longo deste guia é impossível não falar de temas que necessitam de um artigo exclusivamente dedicado.

Felizmente para ti, já juntei 8 dicas para campanhas de remarketing bem sucedidas.

Quem Pode Usar o Pixel do Facebook

Todos os utilizadores do Facebook com conta no Gestor de Negócios podem criar o seu próprio pixel.

Por outras palavras, é uma ferramenta universal que serve os anunciantes quando faz sentido para os seus negócios.

Como assim, quando faz sentido?

Só consegues dar utilidade ao pixel se tiveres outro canal digital fora do Facebook.

Imagina que és criador de conteúdo e que partilhas o teu conhecimento ao longo das redes sociais – Facebook e Instagram, maioritariamente.

Não tens website, blog ou outro tipo de presença na web.

Até podes criar o teu pixel mas não vais conseguir dar-lhe utilidade porque, como detective, não tem o que espiar.

Mas decides que o próximo passo para fazer crescer o teu projecto passa por criar um blog onde partilhas o conteúdo de forma mais elaborada e detalhada.

Tendo o pixel já criado, a sua instalação e configuração tem de fazer parte das tarefas core do processo de criação do blog.

Mesmo sem intenção de fazer publicidade no imediato, o pixel vai armazenar informação desde o dia 1.

E acredita, no futuro poderá ser útil!

Eventos do Pixel do Facebook

Introduzidos os pontos básicos do pixel do Facebook, chegam as componentes mais técnicas e que dão uma visão mais prática do que realmente acontece durante todo o processo de monitorização e partilha de informação.

As actividades e comportamentos possíveis de realizar na web (assume web como um website, blog, loja online ou landing page) são traduzidas pelo pixel através dos seus eventos.

Há dois tipos de eventos: os padrão e os personalizados.

A actualização do iOS 14 trouxe outra grande mudança a este campo:

  • pré-iOS 14 → sem limite de eventos configurados por domínio
  • pós-iOS 14 → limite de 8 eventos por domínio, com liberdade de escolha sobre quantos serão padrão ou personalizados

É uma alteração significativa pelo simples facto de ter sido imposto um limite num aspecto onde havia 100% liberdade de definição.

Partilho da opinião de que 8 eventos permitem de igual forma criar um boa sequência na jornada do consumidor, para qualquer canal web, mas ainda não tenho bem a certeza se os 8 eventos e a sua prioridade irá funcionar como devia… Mas enfim, não me vou alongar nesta matéria pois ainda me estou a adaptar e a aprender à nova realidade.

Qual a diferença entre os dois tipos de eventos? Repara 👇

Eventos Padrão

São eventos disponibilizados e suportados pelo próprio Facebook.

Isto é, de forma nativa a plataforma já está preparada para rastrear estes eventos após os configurares na web.

Sim, 16 dos 17 eventos padrão disponíveis requerem a instalação de um pequeno código adicional (para além do código base do pixel), diferente e específico para cada um deles.

Não me enganei nas contas: a instalação base do pixel inclui o evento padrão de visualização de página.

Para os restantes 16 (os que fizerem sentido para o teu negócio) tens de meter a mão na massa e seres tu a fazer a instalação.

Tem de ser feita de forma manual e num local perfeitamente identificável – mostro-o no tópico onde falo sobre como instalar o pixel.

Agora, até como forma de suporte à minha posição em relação ao limite de eventos por domínio, um exemplo de um sequência de acontecimentos de alguém que vai do topo ao fundo do funil:

  • uma pessoa entra no website → dispara o evento de Visualização de Página
  • consulta um produto → Visualização de Conteúdos
  • adiciona o artigo ao carrinho → Adição ao Carrinho
  • inicia o checkout → Início de Pagamento
  • realiza a compra → Compra

O sonho de qualquer anunciante era que a jornada de compra fosse sempre assim – smooth – mas com 5 eventos padrão consegues delinear um funil com toda a lógica do processo de compra.

No fundo, sem eventos padrão o teu pixel não tem grande valor – até poderias manter-te apenas com o Page View, mas estarias, seguramente, a desperdiçar muitas oportunidades de mensuração e optimização.

Da lista de 16 eventos, analisa os que fazem sentido para ti e configura-os desde logo no teu website.

O próprio Facebook disponibiliza uma tabela com todos os eventos padrão e os respectivos códigos adicionais para configuração.

Eventos Personalizados

Os eventos personalizados são acções e comportamentos que o Facebook não abrange – estão fora da lista dos 1+16 eventos padrão que disponibiliza por defeito.

Se achas que existe uma forma mais refinada de monitorizar a actividade dentro do teu website, os eventos personalizados são a resposta.

São igualmente contabilizados para o limite de 8 eventos por domínio, és tu quem lhes atribui um nome e a instalação continua a ser feita de forma manual.

Mas afinal, o que poderão ser eventos personalizados interessantes a configurar?

Alguns exemplos do valor que podes retirar com este tipo de monitorização:

  • % scroll efectuado
  • tempo passado na página
  • número de páginas visitadas por sessão
  • cliques em imagens e botões

Basicamente, isolas o volume de tráfego e demais acções com maior foco na qualidade e intenção dos visitantes ao site.

Por exemplo, vamos colocar frente a frente o evento padrão de visualização de página e o evento personalizado de tempo passado na página.

  • no último mês, o pixel do Facebook registou 1000 eventos de visualização de página – vamos assumir que é a homepage
  • com um evento personalizado de tempo passado na página, podes isolar estes 1000 eventos por quem esteve mais tempo na homepage

Em vez de teres simplesmente 1000 eventos generalizados, podes filtrar por quem passou mais de 15, 30, 45 segundos na página inicial.

Há uma maior filtragem em termos de qualidade do tráfego, pois passas de 1000 visitas homogéneas para diferentes segmentos de tempo, onde a qualidade sai privilegiada.

Quem passou 30 segundos no teu website está potencialmente mais interessado comparativamente a quem passa apenas 5 segundos.

Tenho a certeza que já entendeste a aplicabilidade destes eventos, mas eles são totalmente opcionais.

Sem dúvida que deves direccionar atenções para os eventos padrão mais importantes e que fazem mais sentido para o teu negócio.

Caso tenhas um espaço nas 8 vagas, podes sempre pensar em adicionar uns eventos mais refinados como é o caso dos personalizados.

Conversões Personalizadas

As conversões personalizadas permitem-te optimizar os anúncios para acções personalizadas – para além dos que são padrão da plataforma.

Não têm a necessidade de adicionar qualquer código extra ao pixel do Facebook para estarem correctamente configuradas.

Funcionam como um filtro de eventos: podes adicionar regras ou parâmetros com o objectivo de entender as acções da tua audiência de uma forma mais precisa e detalhada – aplicável tanto aos eventos padrão como personalizados.

Este é um tópico bem abrangente, com todos os pormenores mencionados no guia completo sobre conversões personalizadas.

Como Criar o Pixel do Facebook

Em 2 minutos tens o teu pixel criado. Vai uma aposta? 🤝

No Gestor de Anúncios, em Ferramentas de negócios entra no Gestor de Eventos.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Na coluna à esquerda, vai a Associar fontes de dados.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Escolhes a opção Web 👇

Pixel do Facebook: O Guia Completo

E claro, dás seguimento com a escolha Pixel do Facebook.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

A janela seguinte partilha algumas informações básicas sobre como funciona esta pequena ferramenta.

Após o clique em Continuar, é-te pedido o preenchimento de alguns detalhes.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Semelhante a qualquer campo que exige nomenclatura, atribui um nome que identifique num piscar de olhos cada pixel que possas vir a criar.

O campo para inserir o URL do website é opcional e serve apenas para a plataforma adiantar o processo de instalação caso utilizes um parceiro do Facebook.

Para seguir uma lógica neste guia, não vou inserir qualquer tipo de URL até para te mostrar a janela seguinte que nos leva directamente para o processo de instalação.

Como Instalar o Pixel do Facebook

Sim, o teu código padrão do pixel já está criado.

Para o instalar em todas as páginas do teu website tens algumas opções que, como é hábito, variam entre a manual e a colaboração com plataformas parceiras.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Qualquer que seja a opção, lembra-te que podes sempre pedir ajuda a um programador ou enviar instruções por email – todo o processo não demorará mais do que 15 minutos se o teu colega estiver atento às tuas mensagens.

Caso queiras ser tu a efectuar a instalação, a plataforma faz um óptimo trabalho a explicar como instalar o código base do pixel do Facebook.

O processo segundo um parceiro da plataforma é explicado passo-a-passo e tens as diferentes fases bem demonstradas, assim como um tracker de evolução.

Primeiro tens de escolher o parceiro.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Agora repara como as instruções são altamente intuitivas, começando pela instalação no WordPress.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Passando para o Shopify, claramente a referência para lojas ecommerce.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Preferes tentar a instalação manual?

Vais ser direccionado para a seguinte área, onde tens disponível o código do teu pixel pronto a copiar e colar no website.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Para teres uma melhor visão de onde deves instalar o código base do pixel do Facebook e os códigos adicionais dos eventos padrão e personalizados, repara na seguinte imagem (é já um clássico no que toca a instruções de instalação do pixel).

Pixel do Facebook: O Guia Completo
  • código base: entre a tag <head> e </head>
  • código adicional dos eventos: entre a tag <script> e </script>, logo após o evento de Visualização de Página

Finalizada a instalação, tens a opção da Correspondência Avançada, à qual pode ser feita de forma manual ou automática (a que aconselho).

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Este é um processo no qual o Facebook vai tentar sincronizar o máximo de utilizadores na web a perfis na plataforma, segundo informações que decides enviar.

Mas que vantagens tens com este processo de correspondência avançada?

  • podes aumentar o número de conversões atribuídas, pois o Facebook vai conseguir sincronizar mais conversões no website a perfis na plataforma – terás melhor compreensão do impacto e desempenho dos anúncios.
  • quanto maior o nível de correspondência, maior volume poderá ser transferido para os teus públicos personalizados
  • quando optimizares campanhas para conversões, o custo por resultado poderá ser mais baixo

Como o Facebook consegue identificar melhor as audiências, vai conseguir apresentar os anúncios às pessoas potencialmente mais preparadas para realizar a acção que desejas.

Como Instalar o Facebook Pixel via Google Tag Manager

E como não há 2 sem 3, quero-te deixar também a minha opção favorita para instalar o Facebook Pixel no teu website: Google Tag Manager.

O Google Tag Manager (GTM) basicamente veio remover a enorme quantidade de códigos que eram adicionados ao código-fonte do website e funciona como um agregador de “etiquetas”.

Ou seja, em vez de instalarmos o Facebook Pixel, o tracking code do Google Analytics, do Google Ads, do Hotjar, e por aí vai, instalamos o código do GTM apenas, inserindo todas as outras etiquetas através desta plataforma, ajudando a que os códigos não sejam carregados desnecessariamente e melhorando o tempo de carregamento das nossas páginas.

Então, para o fazer, e vou assumir que já tens a etiqueta do GTM correctamente configurada no teu website:

  1. No menu do lado esquerdo, em “Etiquetas”, clicas no botão “Nova”
  2. Atribuis um nome à etiqueta
  3. Em “Configuração da etiqueta”, escolhes o tipo “HTML personalizado”
  4. Na caixa de texto HTML, colas então o código que copiaste anteriormente
  5. Em “Acionadores”, escolhes “Todas as páginas”
  6. Guardar
Como Instalar o Facebook Pixel via Google Tag Manager

Por fim, podes testar o evento usando o botão “pré-visualizar”.

O que não te poderás esquecer para que tudo corra bem, é “Enviar”, ou seja, publicar todas as alterações que efectuaste.

Adicionar um Evento Padrão

Para adicionar um dos eventos padrão extra, eu gosto de adicionar uma nova etiqueta, de forma a poder escolher onde o mesmo deva ser “disparado”.

Segue exemplo:

No meu website eu pretendo mensurar como “Lead” a submissão de dois formulários: o de “Mensagem” (formulário de contacto) e o de “Pedido de Orçamento”.

E como faço?

Neste caso, para mensurar as “Leads” utilizo uma página de obrigado, ou seja, sempre que uma pessoa submete um dos formulários é reencaminhada para um página específica – a página de obrigado – tornando mais simples e fiável a mensuração.

Então, no campo “Acionador”, ou seja, “o que tem de acontecer para a etiqueta ser disparada”, vou precisar de criar um específico (e não utilizar o “Todas as páginas”, caso contrário qualquer visita seria contabilizada como “Lead”).

  1. No menu do lado esquerdo, em “Acionadores”, clicas em “Novo”
  2. Atribuis um nome ao trigger
  3. Em tipo de acionador, escolhes “Visualização de página”
  4. Nas condições, escolhes “Algumas visualizações de páginas”
  5. Page Path > contém > parte da slug única da tua página de obrigado (no meu caso, “mensagem-enviada”)
  6. Guardar
Como Instalar o Facebook Pixel via Google Tag Manager

De seguida, passos muito idênticos à instalação do código base:

  1. No menu do lado esquerdo, em “Etiquetas”, clicas no botão “Nova”
  2. Atribuis um nome à etiqueta
  3. Em “Configuração da etiqueta”, escolhes o tipo “HTML personalizado”
  4. Na caixa de texto HTML, colas o respectivo código do evento padrão “Lead”
  5. Em “Acionadores”, escolhes o que criaste anteriormente (no meu caso, tenho 2)
  6. Guardar
Como Instalar o Facebook Pixel via Google Tag Manager

E pronto, além do código base (com o evento Page View) tens também um evento padrão extra: o de Lead.

Novamente, não te esqueças de “Enviar” e publicar as alterações.

Eu bem disse que era simples. Já podes dizer que és programador(a)! 😂

Ferramenta de Configuração de Eventos

Ok, mais uma… Esta nunca usei mas poderá ser mais simples para o verdadeiro leigo informático.

Esta ferramenta é uma alternativa à instalação manual de eventos do pixel do Facebook (apenas disponível para os eventos padrão).

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Isto é, o processo continua a ser manual mas dispensa a instalação do código adicional.

A ferramenta tem um potencial enorme, mas ainda apresenta alguns problemas de leitura de eventos (para além de não suportar os eventos personalizados).

Como já referi anteriormente, pode ser desafiante fazer toda a instalação do pixel do Facebook (código base + eventos).

Caso decidas ser tu a executar todo este processo, apenas terás de o fazer uma vez.

Depois, adopta uma manutenção activa para te certificares que tudo continua a correr como o esperado.

Testar e Rastrear Actividade do Pixel do Facebook

Por muito que tenhas feito tudo direitinho na criação e instalação do pixel, por vezes (e aviso-te já que é provável 😅) existem falhas que impedem a ferramenta de fazer o seu trabalho.

É fundamental que te certifiques que está tudo a 100%.

Caso contrário, vais pensar que o pixel está a recolher informação valiosa e, quando dás por ela, lá foram semanas ou até meses de volume de tráfego que ficou por monitorizar.

Destaco duas maneiras para confirmares que tudo está em condições.

No Gestor de Anúncios, em Ferramentas de negócios vai ao Gestor de Eventos.

Logo na área principal, tens vários indicadores que te dizem se o pixel está a funcionar correctamente ou não.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

A actividade mais recente dos eventos instalados é igualmente um indicador:

Pixel do Facebook: O Guia Completo

Uma forma mais simples de fazer esta verificação é através da extensão Facebook Pixel Helper disponível na loja do Chrome.

Pixel do Facebook: O Guia Completo

É das coisas mais fáceis de instalar e permite-te ver não só a actividade do teu pixel mas também o de qualquer outro website, permitindo-te validar a implementação do pixel do Facebook.

4 Pontos Chave Sobre o Pixel do Facebook

Este tópico serve como um pequeno recap do que foi dito ao longo deste guia.

Acho realmente muito importante que tenhamos bem presente na memória todas as vantagens que esta pequena ferramenta pode trazer para o teu negócio.

Como já afirmei, mesmo que ainda não tenhas intenções de investir em publicidade, tens zero risco em criar e instalar desde já o pixel do Facebook.

Refresca agora tudo o que ficas a ganhar:

Tráfego nunca mais será o mesmo → teoricamente isto não é verdade mas na prática, com o poder de segmentação do pixel, podes filtrar o tráfego com base na qualidade e não na sua quantidade.

Aqui entram não só os eventos padrão e personalizados, mas também as regras e parâmetros que podes aplicar com as conversões personalizadas.

Melhor acompanhamento e mensuração de conversões → a actualização do iOS 14 está claramente contra mim na defesa deste ponto, mas o pixel nunca deixará de te auxiliar neste processo de tracking.

Mesmo com as limitações impostas, consegues entender de forma bem mais vantajosa para as tuas estratégias quem, como e quando aconteceu uma determinada acção no teu website.

Públicos personalizados valiosos → sem dúvida que esta vantagem é inegável.

Se tens mais informação sobre o que se passa na web, longe dos olhos do Facebook, este tipo de público que nasce das tuas fontes tem uma qualidade proporcional à informação que consegues partilhar com plataforma por via do detective pixel.

Optimização a todo o vapor → mais informação significa maior capacidade de otimização de campanhas.

Quanto mais o pixel aprende, mais forte se torna o algoritmo porque melhora a sua distribuição de anúncios para pessoas mais preparadas a achar a tua oferta relevante e a tomar uma acção.

É o efeito bola de neve que joga a teu favor.

Conclusão

Acredito mesmo que seja impossível acabar de ler o que quer que seja sobre o pixel do Facebook e não o instalar momentos depois.

Simplesmente não há um único motivo para que não comeces a utilizar esta ferramenta.

Mesmo que sejas um criador de conteúdo por puro entretenimento, nunca sabes o que o futuro e um eventual crescimento te possam trazer.

Se for o caso, corres o risco de te arrependeres por não teres um pixel a “espiar” desde o dia 1.

O que interessa é teres o detective a colaborar contigo o quanto antes 😅

Um abraço!

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Bruno Moura

Bruno Moura

Freelancer, PPC Manager, consultor e formador com mais de 10 anos de experiência em marketing digital. Segue-me no Facebook e Instagram.

Deixe uma resposta

Close Menu